OSCAR 2019: ASSOCIAÇÃO DE DIRETORES DE FOTOGRAFIA CONDENA ACADEMIA POR CATEGORIAS NÃO TELEVISIONADAS

em Artigos e Entrevistas, Notícias.

Oscar 2019, associação, diretores de fotografia, condena academia, categorias não televisionadas, confusão, curta documentário, fotografia aulas, amazon, Focus escola de fotografia, aulas de fotografia, cursos de fotografia sp, escolas de fotografia EAD, escola focus, cursos de fotografia presencial SP, Enio Leite, curso de fotografia online, aula de fotografia, fotografia profissional, focusfoto, fotografia notícias

A confusão não acaba no entorno desta que deve entrar para a história como a edição mais conturbada do Oscar — isso apenas dois anos após a gafe de La La Land e Moonlight. (Ilustração:AdoroCinema)

Laysa Zanetti/AdoroCinema

 Após a resposta do presidente de Academia John Bailey para a carta assinada pelos membros votantes (incluindo Quentin Tarantino, Martin Scorsese, Guillermo del Toro e Alfonso Cuarón), chegou a vez da Associação de Diretores de Fotografia (ASC) fazer sua pressão contra a ideia de apresentar quatro categorias (Fotografia, Montagem, Cabelo e Maquiagem e Curta Documentário) nos intervalos comerciais da cerimônia, no próximo dia 24 de fevereiro.

A respeito da última declaração dos produtores, a declaração da ASC argumenta (via The Hollywood Reporter): “O ato de entregar certos prêmios durante o intervalo comercial, e depois exibir esse conteúdo ao próprio critério é, certamente, apresentar estas categorias sob uma luz menor em relação àqueles sendo honrados ao vivo sob os holofotes do palco principal.”

Ainda de acordo com a associação, é falsa a afirmação de que a categoria se voluntariou para ser apresentada no intervalo. “Parece que quase ninguém sabia muita coisa sobre isso, ou sequer nossos membros foram consultados ou permitidos em fazer parte dessa tomada de decisão.”

A carta é finalizada com um apelo: “A missão da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas é nos representar e honrar nossas conquistas. Por favor revejam esta decisão, sejam fiéis à missão, e honrem todos os cineastas na transmissão principal, como a Academia vinha fazendo no passado.”

ENTENDA A POLÊMICA

Apesar de já ter anunciado há alguns meses que apresentaria algumas categorias durante os intervalos comerciais, foi apenas na última segunda-feira (11) que a Academia, através do presidente John Bailey, formalizou quais seriam as “contempladas” da edição 2019. Segundo a carta aberta enviada à imprensa e aos votantes, todo ano serão escolhidas de 4 a 6 categorias diferentes que deverão ficar de fora da cerimônia principal.

Após vários votantes terem reprovado a decisão nas redes sociais, o grupo enviou uma carta aberta à AMPAS pedindo que a decisão seja repensada. Assinada por dezenas de cineastas, diretores de fotografia e montadores, a carta afirma, em um dos trechos:

“Relegar estas artes essenciais à produção do cinema a um status menor na cerimônia do 91º Academy Awards é nada menos do que um insulto a todos nós que devotamos nossas vidas e paixões a esta profissão escolhida.

O diretor do programa, Glenn Weiss, afirmou que ele vai determinar quais momentos de ‘ressonância emocional’ dos discursos dos quatro ganhadores serão selecionados para irem ao ar posteriormente. O show vai cortar qualquer comentário adicional de apresentadores, bem como qualquer declaração dos indicados como bem querem.

Consideramos esta abreviação e potencial censura contrária ao espírito da missão da Academia.”

Após isso, os líderes da Academia continuarem defendendo a decisão, chegando a acusar a imprensa de reportar falsas informações: “Infelizmente, como resultado de matérias incorretas e publicações nas mídias sociais, houve uma corrente de desinformação que entristeceu muitos membros da Academia. Gostaríamos de reafirmar e explicar os planos para a apresentação dos prêmios, como endossados pelo quadro de governadores da Academia.”

Além da ASC, uniram-se ao coro a sociedade Montadores de Cinema norte-americanos e a Associação de Montadores Cinematográficos. “Pedimos respeitosamente que a Academia e a ABC por favor considerem uma alternativa a esta decisão e honrem igualmente as pessoas que de fato fazem os filmes.”

Fonte: https://goo.gl/xcuLre

Aproveite para rever mais dicas sobre fotografia e notícias nas suas apostilas, bibliografias e vídeos das aulas de fotografia dos cursos profissionalizante da Escola Focus.

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)