Plano de sobrevivência da Kodak enfrenta dificuldades

em Dicas & Tutoriais, Notícias.

Kodak enio leite escola focus curso de fotografia sp focus escola de fotografia sp online cursos de fotografia online sp curso fotografia sp escola de fotografia focus sp sao paulo cursos de photoshop sp cursos de fotografia vips noticias curso de fotografia a distancia online curso fotografia a distancia EAD blog focusfoto escolafocus blog noticias fotografia escola fotografia sp

Funcionários entram na sede da Kodak em Rochester, no Estado de Nova York. Empresa está tentando obter recursos para financiar uma reestruturação

A Eastman Kodak Co. está encontrando muitos obstáculos em sua tentativa de vender algumas de suas patentes ou obter empréstimos, enquanto a gigante de fotografia se bate para levantar caixa.

Os passos são importantes para a Kodak ficar longe do tribunal de falências. A empresa de 131 anos diz estar fazendo progressos em ambas as frentes, mas pessoas familiarizadas com o assunto dizem que ainda há algumas arestas.

A Kodak tem participado de conversas para um novo financiamento com um consórcio de fundos de hedge, incluindo Cerberus Capital Management LP e Highbridge Capital Management LLC. A empresa precisa do dinheiro para sustentar sua posição de caixa até que ela consiga concluir uma venda de patentes.

Embora as discussões originalmente tenham sido focadas em um pacote de cerca de US $ 900 milhões, os fundos de hedge recentemente cortaram o montante que estão dispostos a fornecer para algo entre US$ 600 milhões e US$ 700 milhões dólares, disseram pessoas familiarizadas com o assunto. O que pode não ser suficiente para atender às necessidades da empresa, uma pessoa disse.

A Kodak vem tentando vender uma carteira de 1.100 patentes digitais desde agosto, com a ajuda do banco de investimentos Lazard Ltd. As patentes têm chamado a atenção de pesos pesados como Apple Inc. e Google Inc., e a empresa está em negociações ativas com potenciais compradores, disseram duas pessoas familiarizadas com o assunto. Os porta-vozes da Apple e da Google se recusaram a comentar.

“Recebemos várias propostas de financiamento […] e nós temos um processo de licitação muito ativo e robusto” para a carteira de patentes, disse um porta-voz da Kodak.

Mas os aspirantes a compradores estão se aproximando da venda de patentes com cautela, nervosos com a ideia de comprarem ativos de uma empresa em risco de entrar em recuperação judicial, disseram as pessoas familiarizadas com o assunto.

Embora a empresa esteja de olho em outros meios para levantar dinheiro, uma dessas pessoas disse que a não ser que a Kodak feche a venda das patentes ou receba uma grande quantia de financiamento nas próximas semanas, ela pode pedir concordada já nos primeiros meses do ano.

A Kodak discutiu suas opções para captar recursos na semana passada, em uma reunião de dois dias com a equipe de gestão, o conselho diretor e consultores em Nova York. Os executivos confirmaram que têm a intenção de fechar um acordo de patentes em breve, segundo pessoas a par do assunto. Mas elas também disseram que se a empresa for obrigada a pedir concordata, isso tornaria uma venda de patentes menos complicada, de acordo com uma pessoa que participou da reunião.

Um leilão das suas patentes por motivo de concordata poderia dar uma folga à Kodak para negociar as melhores ofertas. O motivo: se uma empresa vende ativos enquanto está insolvente e posteriormente busca proteção contra concordata, os credores podem processá-la para tentar recuperar os ativos, ou obter mais dinheiro além da receita conseguida com a venda destes. Isso pode deixar os candidatos temerosos de que um negócio feito fora do tribunal de concordatas poderia mais tarde ser desfeito. Um leilão de concordata, por outro lado, seria aprovado por um juiz e poderia acalmar os candidatos e os credores.

A Kodak acredita que está fazendo um leilão competitivo, que vai buscar o justo valor de mercado para as patentes, disseram pessoas a par do assunto, tornando nulo qualquer temor de que um acordo poderia ser desfeito mais tarde.

O tribunal de concordatas também daria opções à Kodak para se desfazer de centenas de milhões de dólares de custos em passivos como pensões e planos de saúde para os funcionários aposentados.

A empresa tem outras ofertas de fundos. Os portadores de títulos de dívida da empresa, por exemplo, recentemente a informaram que poderiam fornecer cerca de US$ 1 bilhão em um pacote de socorro, segundo pessoas a par da situação.

Os portadores de títulos ainda não receberam resposta da empresa, segundo uma dessas pessoas, e não ficou claro por que o pacote de financiamento poderia não ser atraente para a Kodak. Uma pessoa a par da situação disse que a proposta dos portadores de títulos não estava sendo considerada seriamente.

Outra pessoa a par do assunto disse que nenhuma decisão ainda foi tomada sobre os rumos da Kodak, e que uma combinação de pacote de resgate, operações de corte de custos e outras relacionadas às patentes poderiam manter à tona essa empresa que é um ícone do setor fotográfico.

A empresa tem torrado caixa enquanto tenta se afastar do negócio de fotografia, que está encolhendo, e se transformar em uma empresa de impressoras. A Kodak tinha US$ 862 milhões em caixa no final de setembro, ante US$ 1,4 bilhão um ano antes.

A Kodak também está tentando vender outros ativos. No momento, ela procura vender a Kodak Gallery, sua divisão de compartilhamento de fotos, segundo pessoas a par do assunto.

Em novembro ela vendeu sua divisão de sensores de imagem e parte das suas instalações em Rochester, no Estado de Nova York. A Kodak também fez alguns acordos de patentes que serão concretizados no quarto trimestre.

Membros da diretoria, consultores e gestores também estão considerando o que um pedido de concordata significaria para a estratégia relativa às impressoras, a grande aposta do diretor-presidente Antonio Perez para virar a sorte da empresa.

O risco é que um pedido de concordata possa dissuadir os clientes de comprar as impressoras digitais Kodak para o consumidor e suas impressoras comerciais, disse essa pessoa.

Correção & Amplificação

Uma versão anterior deste artigo dizia, erroneamente, que o caixa da empresa havia caído US$ 1,4 bilhão.

Fonte: http://goo.gl/LzFuv

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)