Pode uma fotografia mudar o rumo dos acontecimentos?

em Dicas & Tutoriais.

 Poder, fotografia, mudar, rumo, acontecimentos Mulher refugiada, filho morto, resto do mundo, crise humanitária, ocasiões dramáticas, curso de fotojornalismo, Bangladesh, Reuters, fotojornalista, Baía de Bengala, refugiados mulçumanos, focus escola de fotografia, curso de fotografia sp

Foto: Mohammad Ponir Hossain

Visão/PT – Rosa Ruela

A imagem de uma mulher refugiada Rohingya chorando pelo seu filho morto está chamando a atenção do resto do mundo para a crise humanitária vivida na Birmânia. Resta saber se o mundo ainda reage como já reagiu noutras ocasiões dramáticas como esta.

Mohammad Ponir Hossain fotografava a chegada de um grupo de refugiados Rohingya à praia de Shah Porir Dwip, uma aldeia no sul do Bangladesh, quando ouviu um condutor de riquexó gritar que acabara de se virar um barco. “Corri para o local e encontrei pessoas a chorarem junto ao corpo de um bebé”, recorda o fotojornalista da Reuters.

Hamida, o seu marido, Nasir Ahmed, e os dois filhos pequenos tinham-se juntado a mais uma dúzia de refugiados muçulmanos birmaneses e atravessado a Baía de Bengala num pequeno barco de pesca. Cinco horas depois, naufragavam à vista da praia, e Abdul Masood, com apenas 40 dias, morria afogado.

Nas últimas três semanas, chegaram ao Bangladesh cerca de 400 mil membros da etnia Rohingya. Desde que se começou a assistir à escalada da violência na Birmânia, uma violência que vários oficiais seniores das Nações Unidas já descreveram como um “exemplo dos manuais da limpeza étnica”, têm sido milhares as famílias como as de Hamida a procurarem refúgio no Bangladesh. Mas foi preciso um fotojornalista captar a dor desta mãe para muito boa gente dar por isso.

Não é a primeira vez que o mundo reage depois de ficar perturbado com uma fotografia. A mais recente foi há dois anos, quando o fotojornalista Nilüfer Demir fotografou um menino de três anos que parecia ter adormecido no areal do resort turco de Bodrum. O menino chamava-se Aylan Kurdi e morrera ao tentar chegar, com a sua família, à ilha grega de Kos. Não tinha sequer idade para saber atar os atacadores dos ténis que ainda levava calçados.

Tínhamos passado o verão inteiro a escrever sobre a morte de refugiados sírios ao tentarem chegar à Europa. As imagens do “pequeno Aylan”, como ficou conhecido, geraram uma onda de solidariedade, peditórios e petições, e alguns governos reagiram, finalmente.

Em 1993, a fotografia de uma menina subnutrida no Sudão, prostrada a poucos metros de um abutre, causaria grande comoção. A imagem era macabra e o fotojornalista, o sul-africano Kevin Carter, seria criticado por não ter ajudado a criança. Embora todos os profissionais tivessem recebido ordens expressas para não tocarem nas vítimas da fome, para não correrem o risco de espalhar doenças, Carter não aguentaria as críticas, suicidando-se meses depois.

Seis anos antes, em junho de 1989, a imagem de um manifestante solitário a fazer frente a um tanque, na praça de Tiananmen, seria rapidamente banida pelo governo chinês mas faria as primeiras páginas dos jornais no resto do mundo. Uma única fotografia e o americano Jeff Widener contava uma história de coragem.

Em 1972, seria também uma única fotografia a imortalizar um fotojornalista – o vietnamita Nick Ut – mas, sobretudo, a resumir o horror de uma guerra. A imagem a preto e branco de Kim Phúc, de 9 anos, a fugir de uma explosão de napalm iria influenciar a opinião pública americana. Seis meses depois, a guerra terminaria.

Muitos anos antes, em 1933, seriam duas mulheres a simbolizar um drama humano. Aos 32 anos, Florence Owens Thompson vira o marido morrer com tuberculose e tinha sete filhos para alimentar.

Vendeu os pneus do carros para conseguir comida e ensinou os miúdos a apanharem passarinhos para comer. Depois de Dorothea Lange a ter fotografado com dois dos seus dois filhos, o governo americano enviou toneladas de comida para os trabalhadores que tinham migrado para a Califórnia e sofriam os horrores da Grande Depressão.

Fonte: https://goo.gl/3a3RbP

FOCUS Escola de Fotografia –  http://focusfoto.com.br
Conheça os novos cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/

Confira opinião de Ex-Alunos: https://goo.gl/yRlkM9
Fale com a Focus: cursos@focusfoto.com.br
Veja TCC de Alunos: https://focusfoto.com.br/tag/tcc/

 

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)