Por que saímos com os olhos vermelhos em fotografias tiradas com flash?

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais, Notícias.

olhos vermelhos, ambientes escuros,  brilho demoníaco, espectro visível, nervo óptico, retina, radiação eletromagnética,  Fotografia, escolas de fotografias sp, cursos de fotografia sp, curso de fotografias sp, notícias sobre fotografia, curso fotografias, melhores curso de fotografias sp, melhores cursos de fotografias sp, curso de fotografia sp melhores,  Escolas de fotografia sp,  Focus foto, curso de cinema digital Full HD, escola de fotografia sp, focus escola de fotografia, focus, escola focus,  enio leite ,cursos fotografia online, curso de photoshop, cursos de fotografia sp, cursos de fotografia online, melhor escola de fotografia, cursos de fotografia focus, aulas de fotografia online, escolas de fotografia sp,  curso fotografia sp, curso de fotografia digital, cursos de fotografia zona sul sp, melhor curso de fotografia  Brasil, cursos de fotografia zona leste, melhores escolas de fotografia sp, escola  de fotografia profissional  sp , curso de fotografia profissional  Brasil , aulas de fotografia sp

Entenda quais são os motivos que provocam esse curioso efeito óptico

Você já percebeu que muitas vezes, quando somos fotografados em ambientes escuros, aparecemos nas imagens com os olhos vermelhos? Embora esse “brilho demoníaco” seja supercomum quando usamos flash, por que é que ele aparece? Segundo o pessoal do site Today I Found Out, o efeito ocorre devido à forma como a luz do flash é refletida pelos nossos olhos, e aos comprimentos de onda específicos rebatidos no processo. Então…

Como você sabe, o termo “luz” está relacionado a qualquer radiação eletromagnética — e não apenas àquelas do espectro visível — que, por sua vez, pode ser classificada como ultravioleta, raios-x, micro-ondas, raios gama etc. Apesar de o espectro vivível pelos humanos apresentar as mesmas características que os demais tipos de radiação eletromagnética, os olhos conseguem perceber apenas uma pequena variedade de frequências refletidas pelos objetos.

Um pouco de anatomia

melhor curso de fotografia Brasil, curso de video Full HD , cursos de fotografia focus,  aulas de fotografia,escola focus, enio leite, escolas de fotografia,  cursos de fotografia online, focus cursos de fotografia sp,  focus fotografia, escola de fotografia sp, curso de fotografia sp ,focus escola de fotografia, curso de photoshop , focus foto,  cursos vips de fotografia,  dicas de fotografia, focus foto, cursos de fotografia zona sul sp, curso de fotografia sp, notícias fotografia, cursos de fotografia zona leste, curso de fotografia zona sul, cursos de cinefotografia Full HD, melhores escolas de fotografia sp, curso técnico de fotografia sp , focus foto , melhores cursos técnicos de fotografia sp, focus foto, curso de fotografia profissional sp   , aulas de fotografia sp

Anatomia do olho humano

A luz penetra nos olhos através da córnea e é percebida pela retina que, então, envia os estímulos através do nervo óptico ao cérebro para que ele interprete essas informações na forma de imagens. A quantidade de luz que chega até a retina é controlada pela pupila, que se contrai ou se dilata dependendo da intensidade da claridade.

Em ambientes muito claros, nossas pupilas se contraem para diminuir a entrada de luz e, ao contrário, quando estamos em locais escuros, elas se dilatam para permitir a sua passagem. Entre a parte branca dos olhos — a esclera — e a retina existe uma estrutura repleta de vasos sanguíneos chamada coroide, e ela é a responsável por manter a camada mais externa da retina bem nutrida e oxigenada. E é aqui que a mágica dos olhos demoníacos acontece.

Abre e fecha

Quando o flash da câmera é disparado, as pupilas não têm tempo suficiente para reagir e contrair, permitindo a entrada de uma grande quantidade luz que, então, é refletida pelo fundo do olho. Contudo, devido ao grande volume de sangue presente na coroide, a frequência da luz que a lente da câmera captura é a correspondente à da cor vermelha.

Isso significa que, quanto mais escuro for o ambiente no qual a foto é capturada, mais dilatadas estarão as nossas pupilas, aumentando, portanto, o efeito dos olhos vermelhos. Além disso, o ângulo com o qual a luz penetra nos olhos é o mesmo refletido por eles, assim, quanto mais próximo o flash estiver da lente, maior é a probabilidade de que a luz refletida pelos nossos olhos seja capturada pela câmera.

Truques para exorcizar olhos demoníacos

Para contornar esse problema, muitas câmeras contam com um sistema para evitar os olhos vermelhos. Se você possui um desses equipamentos, deve ter percebido que quando o dispositivo é acionado o flash dispara duas vezes. O primeiro flash faz com que as pupilas dos “modelos” no retrato se contraiam, e o segundo é disparado para iluminar a cena quando a fotografia é tirada.

Entretanto, se a sua câmera não conta com esse sistema, existem truques que podem ajudar. Um deles é contrair as pupilas imediatamente antes de ter a foto clicada — com a ajuda de uma fonte de luz, como a lanterninha do celular, por exemplo — ou, ainda, posicionar o flash longe da lente. Com esse segundo truque, aumentamos o ângulo com o qual a luz penetra em nossos olhos, diminuindo a chance de que ela seja refletida de volta para a lente.

Curiosidades oculares

Outros fatores também contribuem para que os olhos demoníacos apareçam nas fotos, como a quantidade de melanina presente nas camadas atrás da retina e a idade da pessoa sendo fotografada. Indivíduos com a pele clara e olhos azuis tendem a ter menos melanina no fundo dos olhos, e é por isso que nessas pessoas o efeito normalmente é mais pronunciado.

Nas crianças, por exemplo, em ambientes com pouca luz as pupilas se dilatam mais depressa do que as dos adultos, contribuindo para que os pequenos apareçam com os olhos vermelhos com mais frequência nas fotos. Aliás, em retratos de crianças, quando a pessoinha aparece com um olho vermelho e o outro não, esse pode ser um indicativo da presença de um câncer chamado retinoblastoma.

Fonte: http://goo.gl/QlO4Af

Focus – Escola de Fotografia – Desde 1975
Veja mais notícias:
http://focusfoto.com.br/blogs

Conheça os cursos da Focus: http://focusfoto.com.br/cursos/
Fale com a Focus:
 [email protected]

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)