"Primeiro faço fotos, depois vem a moral"

em Artigos e Entrevistas, Notícias.

Enio Leite escola focus curso de fotografia sp focus escola de fotografia sp  online cursos de fotografia online   sp curso fotografia sp escola de fotografia focus sp sao paulo cursos de photoshop sp cursos de fotografia vips   curso fotografo profissional online sp blog focusfoto escolafocusblog

Triste fama: a “garota do napalm”

“Primeiro faço fotos, depois vem a moral”, é a máxima do repórter fotográfico Horst Faas

Vencedor de dois Prêmios Pulitzer, o fotógrafo alemão Horst Faas registrou alguns dos acontecimentos mundiais mais turbulentos das últimas décadas. Entre eles a Guerra do Vietnã e a independência de Bangladesh.

A biografia de Horst Faas inclui visitas a muitas regiões do planeta em crise e o registro fotográfico de acontecimentos mundiais. Durante toda a Guerra do Vietnã, Faas trabalhou como repórter fotográfico para a agência norte-americana de notícias Associated Press (AP), estacionado em Saigon, a capital do país. Este foi o ápice de sua trajetória no jornalismo. “Se eu não tivesse ido para o Vietnã, estaria sendo hoje em Bremen ou em qualquer outra cidade, trabalhando como um mero redator. E nunca teria feito o que fiz”, diz ele hoje.

Para obter reconhecimento na mídia norte-americana, era importante testemunhar in loco, como fotógrafo ou correspondente, o que acontecia no Vietnã. “O país foi um pulo na carreira de muita gente”, recorda Faas. Em 1965, o berlinense recebeu, como primeiro alemão, o Prêmio Pulitzer por suas imagens feitas no país asiático. Entre elas, a mais famosa é certamente a dramática “Garota do napalm”, em que a vietnamita Kim Phuc corre, nua e com o corpo todo queimado.

Pouco tempo depois, em 1972, o comitê que concede o renomado prêmio o indicou novamente, desta vez pelas fotos de uma execução em Bangladesh, datadas de dezembro de 1971. Até então, nenhum outro fotógrafo havia recebido o Prêmio Pulitzer duas vezes.

Nos EUA, Horst Faas tornou-se tão conhecido quanto nomes lendários da fotografia, como David Halberstam, Larry Burrows, Tim Page ou Henri Huet. Em seu país natal, poucos conhecem aquele que talvez seja o repórter fotográfico alemão de maior sucesso internacional, em todos os tempos.

Após a paralisia

“O primeiro Prêmio Pulitzer foi uma surpresa para mim. Eu nem sabia o que era isso, quando o presidente da AP, Wes Gallagher, me cumprimentou”, lembra-se Faas, hoje aos 78 anos, em seu apartamento de Munique, onde vive com a mulher Ursula. Desde abril de 2005, ele sofre de paralisia e não consegue mais andar. Em sua cadeira de rodas, recorda: “Quando o médico me disse que nunca mais poderia andar, pensei: ‘Aos 72 anos, já vivi, na verdade, tudo o que tinha que viver. Agora vem outra coisa'”.

E mesmo quando é obrigado a passar dias deitado, em função das debilidades físicas, suas lembranças detalhadas do tempo de repórter fotográfico mantêm-se vivas. Entre estas estão os acontecimentos em Daca, no dia 18 de dezembro de 1971. Faas viajou naquele dia do Vietnã diretamente para a recém-fundada Bangladesh.

Imagens terríveis

Em março daquele ano, o país tinha obtido sua independência do Paquistão e combatido as forças armadas deste país, com a ajuda do Exército da Índia. No dia 16 de dezembro, as tropas paquistanesas capitularam e a Índia ocupou, junto com grupos de rebeldes nativos, a capital Daca. Quando o líder das então chamadas Forças Armadas da Libertação de Bangaldesh conclamaram a população para um comício, Horst Faas estava presente com sua câmera, a serviço da Associated Press. Ele fotografou a seguir a execução de quatro homens, acusados de terem violentado mulheres muçulmanas.

Um dos líderes rebeldes, “Tiger” Siddiki, havia instigado toda a história do assassinato, lembra-se Faas. “Quando começaram os maus-tratos em público, as agressões a baioneta, ele entrou em cena como num balé e pediu um fuzil com uma baioneta montada. Aí se posicionou em frente a um dos presos, levantou a arma ostensivamente e recuou mais do que o necessário”, conta o fotógrafo. “Então lanceou o homem no flanco. Não no peito. Ele não queria matá-lo imediatamente, mas primeiro torturar”, completa.

Os outros solados imitaram seu líder e uma multidão assistia. Por fim, eles se sentiram incomodados com os fotógrafos e se voltaram contra eles. Faas e seu colega Michel Laurent, também a serviço da AP, encontraram um abrigo seguro. “Nunca corri tão rápido na vida”, recorda.

Limites da profissão

Logo depois, outros jornalistas acusaram Faas e Laurent de que as execuções teriam sido encenadas para a imprensa e de que seria amoral fotografar aquelas cenas. A AP divulgou, mesmo assim, as imagens, e quatro meses mais tarde os dois fotógrafos receberam o Prêmio Pulitzer por elas.

Faas conta que ficou horrorizado com as acusações. “Mas sempre defendi a máxima: ‘primeiro faço minhas fotos, depois falamos sobre moral'”, diz, parafraseando o dramaturgo Bertolt Brecht. Durante sua permanência como correspondente da AP na antiga Saigon, o fotógrafo alemão viu-se diversas vezes confrontado com a decisão sobre o que podia ser publicado e o que não. Seu critério sempre foi a “autocensura pelo decoro. Ou uma espécie de instinto: o que é possível e o que não é. O que é apropriado e o que não é”, completa.

Ao longo de sua trajetória, Faas registrou muita coisa através de suas lentes, inclusive o atentado à equipe israelense durante os Jogos Olímpicos de Munique, em 1972; o encontro entre o então presidente egípcio Anwar el Sadat e o presidente norte-americano Richard Nixon, durante as negociações pela paz de Gizé; a luta de boxe entre Muhammad Ali e George Foreman, em 1974, no então Zaire, e a visita do Papa João Paulo 2° a Auschwitz, em 1979. Faas é capaz de se lembrar de tudo nos mínimos detalhes e seu entusiasmo pelo trabalho de então é visível até hoje.

Veja mais fotos de Horst Faas: http://bit.ly/rKKPff

Fonte: http://www.dw-world.de/dw/article/0,,15619369,00.html

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 15/08/2020)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)