SENSOR 3:2

em Uncategorized.

Sensor 3:2, proporção, filme 35 mm. DSLR full-frame, fotógrafos, profissionais, amadores avançados, escolas de fotografia, Focus escola de fotografia, aulas de fotografia, cursos de fotografia, escolas de fotografia, escola focus, melhor escola de fotografia, curso de fotografia profissional, aula de fotografia, curso fotografia, melhores escolas de fotografia

Esta é a clássico proporção do filme 35mm, que foi integralmente transferida para as DSLR full-frame

No meio desse processo acabou criando um tipo de distinção de classes entre fotógrafos, pondo de um lado profissionais e amadores avançados e, de outro, todos os demais.

A razão para essas proporções é um caso de acidente histórico: não há qualquer forte razão estética que justifique que deva ser assim. De fato, proporções menos alongadas seriam mais “naturais”, como fica evidente pela maioria das formas em que se apresentam as imagens – telas de pintura, monitores de computador, papel fotográfico para impressão, formatos de livros e revistas e outros.

Parte da razão histórica deve-se ao filme 35mm ter sido, por muito tempo, considerado pequeno demais para boas ampliações e sua forma alongada oferecia maior área. Apesar disso, sua popularidade demonstra como nosso sentido de composição intuitiva se adapta com facilidade.

Em sua imensa maioria, esse formato é empregado na horizontal e há três motivos para isso. O primeiro é puramente ergonômico. É difícil projetar uma câmera para ser usada ao nível dos olhos que seja tão fácil de ser usada na vertical quanto na horizontal, e poucos fabricantes chegaram a sequer se preocupar com isso. As câmeras DSLR são feitas para serem usadas em fotos horizontais. Virá-las de lado, simplesmente, não é tão confortável, e a maioria dos fotógrafos tende a evitar isso.

O segundo motivo é mais fundamental. Por nossa visão ser binocular, isso significa que vemos horizontalmente. Não existe um quadro como esse, já que a visão humana envolve o prestar atenção a detalhes localizados e o rápido vasculhar da cena, em vez da apreensão imediata e com detalhes de toda a cena de uma só vez.

Nossa visão natural do mundo tem a forma oval horizontal, de bordas vagamente definidas, e um quadro horizontal padrão de filme está bem próximo disso. O último motivo é que a proporção 3:2, geralmente, é percentualmente muito alongada para funcionar confortavelmente nas composições para retratos.

O resultado, no final das contas, é que o quadro horizontal é natural e não chama atenção.

Ele influencia a composição de uma imagem, mas não de modo invasivo, chamativo. Conforma-se ao horizonte, e, portanto, à maioria das paisagens e cenas gerais.

O componente horizontal do quadro estimula, muito naturalmente, um arranjo horizontal dos elementos. Até certo ponto, é mais natural situar uma imagem mais abaixo dentro do quadro do que mais acima – isso tende a aumentar a sensação de estabilidade -, mas, em qualquer fotografia, pode-se esperar que haja muitas outras influências.

Situar o assunto ou o horizonte em uma posição alta no quadro resulta em uma visão levemente descendente, uma sensação de cabeça baixa, que pode ter sutis associações negativas.

No caso de assuntos naturalmente verticais, o alongamento de um quadro 2:3 é uma vantagem, e a figura humana, em pé, é o assunto vertical mais comumente encontrado – uma feliz coincidência, já que, em respeito a quase tudo mais, as proporções de 2:3 raramente satisfazem por completo.

Aproveite para rever mais dicas  sobre formatos de sensores nas suas apostilas, bibliografias e vídeos das aulas de fotografia dos cursos profissionalizante da Escola Focus.

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 15/08/2020)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)