Sua câmera na praia?

em Uncategorized.

camera na praia, recomendações, fotos, areia, maresia, umidade escola focus,  proteção enio leite, equipamentos fotográficos,  elementos naturais, sacos plásticos

Cuidados simples para fotografar despreocupado

As férias rendem, invariavelmente, boas fotos. Principalmente se o cenário for uma praia paradisíaca. Mas, equipamentos fotográficos e os elementos naturais como areia, maresia e umidade não formam um casal feliz.

Porém, nada impede o fotógrafo de registrar belos cenários com muito menos preocupação. Uma série de cuidados simples, nessas horas, pode ajudar muito a prevenir uma série de futuras dores de cabeça.

PROTEÇÃO

Antes de sair, é preciso prestar atenção ao acomodar os equipamentos. Lembre-se que a praia é um lugar onde a areia, ao simples soprar de um ventinho, deixa o chão e cobre tudo o que há pela frente. Uma boa mochila ou bolsa, bem vedada, de boa qualidade, normalmente é o suficiente para garantir a proteção necessária enquanto o equipamento não está em uso. Se este não é o seu caso, também não é preciso entrar em desespero.

Em uma mochila simples, utilize sacos plásticos e embale individualmente cada peça. Pronto, problema resolvido.

FERRAMENTAS

Mantenha no kit algumas “ferramentas” básicas de limpeza. Uma bombinha de ar, um pincel macio (uma LensPen ou algo semelhante é ainda melhor), lenços de papel, paninhos, álcool isopropílico, gaze, e o que mais achar necessário e interessante. Melhor estar prevenido para tudo.

OS CUIDADOS

– Evite a troca de lentes. Se possível, utilize apenas uma. Quanto menos a câmera for desmontada para troca de lentes, mais difícil será a entrada de areia ou sujeira no corpo na própria lente;

– Lentes com distância focal fixa são ainda melhores de usar na praia quando o assunto é evitar sujeita. Sem anel de zoom, essas objetivas são praticamente lacradas para areia;

– Se não usar, guarde. Evite ficar com a câmera exposta aos ataques da areia e maresia. Tire-a quando for necessário;

– Ao entrar e sair de ambientes com temperaturas muito diferentes, como um lugar com ar-condicionado por exemplo, mantenha a câmera dentro da mochila ou bolsa. A diferença de temperatura pode trazer problemas em virtude da condensação de água causada pela mudança brusca. Se a lente embaçar, apenas espere. Não tente esfregar nada para enxergar novamente. A areia adere na umidade com muita facilidade, e o risco de causar estragos na lente é grande;

– As mãos são um grande inimigo nessas horas. O suor faz a areia grudar e, muitas vezes, o fotógrafo não percebe que está manipulando o equipamento com as mãos sujas. Uma toalha seca pode ajudar a manter as mãos limpas;

– Ao encerrar a sessão de fotos, tire todo o equipamento da mochila/bolsa, limpe tudo com um bom pincel, inicialmente, e verifique se não há areia no corpo, lentes, acessórios e bolsa. São alguns minutos “perdidos” das férias, mas por uma excelente causa.

ERROS COMUNS

– Muitos fotógrafos, por hábito, tendem a limpar a lente com a camisa, pano ou até lenço. Essa é uma prática comum, porém, a praia não permite isso. Qualquer grão de areia na lente, ao ser arrastado, pode causar um belo estrago. O primeiro a tocar na lente para a limpeza, em qualquer situação dessas, é o pincel ou LensPen. É preciso ter certeza que não há nada nos elementos que possa causar riscos;

– Ar comprimido pode ser um grande aliado, mas é preciso cautela. Conheço vários fotógrafos que já estragaram equipamentos por abusarem deste recurso. A pressão do ar pode empurrar elementos para dentro da lente ou do corpo da câmera, ou, em casos extremos, até movê-los de lugar. O ar-comprimido deve ser usado na distância certa, onde consegue remover resíduos e poeira sem causar pressão demais nos elementos. Esse cuidado é necessário principalmente para quem utiliza ar-comprimido em compressores.  Para quem utiliza latas de ar-comprimido, o problema é bem menor.

RECOMENDAÇÕES FINAIS

– Proteção nunca é demais. Capas, bolsas estanque, ou qualquer outro acessório que permita ao fotógrafo trabalhar com mais proteção são sempre úteis. Se quiser algo simples, utilize um saco plástico transparente, faça uma abertura frontal e seja feliz. Não fica bonito, deixa o elemento frontal da lente exposto, mas mantém o restante do conjunto razoavelmente protegido;

– Porta-malas é melhor que banco: se for deixar o equipamento no carro, prefira o porta-malas. Além de mais seguro, já que nenhum bisbilhoteiro vai vê-lo no banco, a temperatura no porta-malas tende a ser menor que da área interna do carro;

– Use protetor solar!

Fonte: http://goo.gl/w3ZCg

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: G1 - 12/03/2020)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)