memórias de Paris

Informações, artigos, tutoriais e novidades
sobre o mundo da fotografia

DOISNEAU SOBRE A BELEZA E A EFEMERIDADE

em Artigos e Entrevistas

“Ao passo que sinto muito pouco prazer percorrendo os bairros franceses que nunca conheceram as barricadas. A vida aí é invisível, oculta, como que ainda por algumas transações secretas. Fechado do lado de fora, penso na ingênua baronesa de Haussmann, que, com seu jeito afetado, dizia: ‘Como é estranho, cada vez que o meu marido…

DOISNEAU SOBRE A VERDADEIRA FELICIDADE

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais, dicas de fotografia

“Há dias em que sentimos o simples fato de ver como uma verdadeira felicidade; ficamos leves, leves; os guardas param os carros para que possamos atravessar. Sentimo-nos tão ricos que nos vem a vontade de partilhar com os outros com alegria imensa. É domingo, conforme cantava o encanador de Prévert. A lembrança desses momentos é…

DOISNEAU SOBRE “PHILIPPEAU, ENRICO E OLHA PANTREMOLI”

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais

“Monsieur Philippe foi para mim a luz da lanterninha me guiando no filme de terror da Ocupação Alemã, durante a Segunda Grande Guerra Mundial. No primeiro dia ele me causou um pouco de medo. É claro, eu tinha improvisado alguns documentos para amigos em dificuldades, mas ele caía em cima de mim, bem informado, e…

DOISNEAU SOBRE A FELICIDADE DE VER

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais, dicas de fotografia

“Há dias em que sentimos o simples fato de ver como uma verdadeira felicidade; ficamos leves, leves; os guardas param os carros para que possamos atravessar. Sentimo-nos tão ricos que nos vem a vontade de partilhar com os outros com alegria imensa. É domingo, conforme cantava o encanador de Prévert. A lembrança desses momentos é…

DOISNEAU SOBRE “O BISTRÔ LES 4 SERGENTS DE LA ROCHELLE”, 1950

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais

“Olivier Boucharain, o dono do bistrô, nos confidencia seu tédio diante da monotonia cotidiana. ‘Ah! Tem dias em que eu mandaria essa tropa de macacos vorazes e careteiros se foder!’. Um momento de depressão, em suma. E como Mérindol e Giraud gostavam dele, lhe propuseram uma escapatória. ‘Olivier, veja, Saint-Germain-des-Prés está abarrotado de caves e…

DOISNEAU SOBRE “A BALADA DE PIERRETTE D’ORIENT”, 1953

em Artigos e Entrevistas, Dicas & Tutoriais, dicas de fotografia

“[…] Numa tranqüila manhã de domingo chegam duas mulheres e um acordeão: ‘Podemos cantar? ’ Uma fazia o gênero rechonchudo. Madame Lulu, cujo nome de registro era Berthe Sylva, cantava razoavelmente bem. A outra, a acordeonista, era bem bonitinha, palavra de honra. Ela também tinha sua canção, sempre a mesma, um lamento arrastado. ‘Não podes…

DOISNEAU SOBRE “MADAME RITA”, 1954

em Dicas & Tutoriais

“No café, as mulheres sozinhas fazem ar de quem espera alguém, fica mais conveniente; mas Rita, acomodada num pequeno bistrô da Rue de La Montagne-Saint-Geneviéve, não se preocupa com isso. Cheirava tabaco, bebia, fumava com todo o seu tempo diante dela. Não mais jovenzinha, ela não tinha pressa. Eu sabia que ela era corsa, e…