TRIPÉ RESISTENTE!

em Equipamentos.

Tenho uma relação de amor e ódio com os tripés. Odeio usá-los, porém o amo as imagens que produzo quando os utilizo

Os tripés são uma parte essencial da mochila de qualquer fotógrafo, especialmente se você tiver a intenção de realizar um trabalho em alto alcance dinâmico (HDR).

Esse processo requer uma variedade de exposição ou ensaio de vídeo. Conheço muitas pessoas que nunca usaram os seus tripés porque são muito pesados e muito inconvenientes para carregar.

Porém se você leva a sério a fotografia, carregará o tripé e o utilizará. Possuo dois: um para paisagens e outro para fotografia de rua.

A fotografia não é um hobby barato, é um negócio terrivelmente caro. Então invista em coisas que façam sentido. Sempre aconselho a comprar um tripé que seja leve, mas bem resistente, e que seja específico para o peso da câmera e das lentes.

Os que são fabricados com matérias de fibra de carbono proporcionarão um suporte mais firme com um menor peso. Além disso, possuir uma resistente cabeça de tripé com um prato de liberação rápida é uma obrigação para quem deseja agilidade e fácil remoção da câmera no tripé. Se você se interessar por filmagens, terá que pesquisar sobre a montagem da cabeça hidráulica que proporciona movimentos de deslizamento suave.

TRIPÉS URBANOS

Um tripé pequeno funcionará melhor para tirar fotografias de rua, pois você não terá que lidar com ventos intimidadores e nem com longas e pesadas lentes.

Utilizo o de fibra de carbono 5 da Gitzo Traveler para fotografar minhas viagens urbanas internacionais, pois é compacto e muito resistente para o seu peso. No entanto, há muitos modelos de tripé disponível para quase todos os orçamentos.

Procuro um além de ser leve e resistente, possua uma alça para prender na aperte de trás da mochila para que minhas mãos permaneçam livres.

Quando fotografar nas ruas, será grande erro ter a câmera em uma das mãos e o tripé na outra. Se aparecer a oportunidade de uma foto, você estará engessado tentando encontrar um local para colocar o tripé. A única hora em que deixo o tripé do lado de fora é quando estou preparando a câmera para uma foto. Caso contrário, estará nas minhas costas, preso na mochila da câmera e fora do caminho.

TRIPÉS PARA PAISAGEM

Anos atrás, percebi que meu tripé Gitzo Traveler não era confiável quando eu encontrava em lugares como Vale da Morte, onde o vento era muito imprevisível. Eu poderia retocar as fotos no Lightroom para um zoom de 1:1 e ainda assim ver o pequeno borrão da câmera.

Você pode tomar todas as precauções necessárias para minimizar a trepidação da câmera utilizando uma câmera mirrorless, posicionando o seu espelho ou fotografando com uma liberação de cabo de câmera. Contudo, a realidade é que o vento e as superfícies instáveis, como areia e pedra, são destruidores de imagens.

Portanto, para fotografar paisagens, aconselho a encontrar um tripé que seja leve e muito mais resistente. A seguir apresento alguns fatores a serem considerados:

Quanto menor a extensão da perna do tripé, mais estável ele se torna. As pernas são indicadas para o uso do telescópio e para bloquear um local de articulação.

Alguns ainda possuem uma divisão central que permite uma altura adicional. O meu tripé de viagem possui cinco extensões de perna com uma divisão central.

Quanto mais divisões de extensão, mais compacto será o tripé. No entanto, se ele for menos resistente, se tornará adequado para o aumento do número de extensões. E a redução do diâmetro dos canso permite que as pernas voltem às extensões anteriores. Os tripés tradicionalmente mais resistentes não excedem três extensões de perna.

Tente encontrar um tripé que fique próximo da sua altura de visão quando a câmera for encaixada.

E por último, e possivelmente mais importante, cuida com o transporte. Se estiver viajando de carro, o tamanho pode ser um problema. Porém, se você utilizar um avião como transporte, sugiro verificar em que bagagem o tripé poderá caber.

O tripé Really Right Stuff TVC-33, que é muito resistente4 e relativamente leve. Ele possui três tamanhos, dependendo da sua altura.

Aproveite para rever mais dicas sobre fotografia e acessórios nas suas apostilas, bibliografias e vídeos das aulas de fotografia dos cursos profissionalizante da Escola Focus.

PIONEIRISMO E INOVAÇÃO:
FOCUS Escola de Fotografia – Desde 1975:  https://focusfoto.com.br    

CONFIRA TCC DE ALUNOS DA ESCOLA FOCUS!  https://focusfoto.com.br/tag/tcc/

BOLSA DE EMPREGOS PARA ALUNOS DA FOCUS
https://focusfoto.com.br/categoria/empregos/

Opinião de Ex- Alunos que estudaram na FOCUS! https://goo.gl/C235XR
Blog de Fotografia:  https://focusfoto.com.br/blogs/

#amazon #Marketing  #dicas_fotografia #escola_focus #focus #focus_escola_de_fotografia  #focusfoto #focus_fotografia #alunos_fotografia #cursos_fotografia #escolas_de_fotografia #aulas_fotografia  #enio_leite    #cursosdefotografia   #TCC  #CursoFotografiaEAD

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 15/08/2020)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)