WORLD PRESS PHOTO 2018: O MELHOR DO FOTOJORNALISMO MUNDIAL

em Exposições, Notícias.

    World Press Photo 2108, fotojornalismo mundial, projeto ambicioso, fotógrafos alemães, desejo comum, audiência mundial, fotografia escolas amazon, Focus escola de fotografia, aulas de fotografia, cursos de fotografia sp, escolas de fotografia EAD, escola focus, cursos de fotografia presencial SP, Enio Leite, curso de fotografia online, aula de fotografia, fotografia profissional, focusfoto, agência fotografiaFoto: Neil Aldridge – World Press Photo 2018

No ano de 1955, um projeto ambicioso uniu um grupo de fotógrafos alemães, na cidade de Amsterdã. Partilhavam o desejo comum de lançar o trabalho então “guardado em prateleiras” a uma audiência mundial, culminando na criação do World Press Photo Contest.

Estela Sofia Santos/Espalha Factos

A criação de um simples concurso levou à constituição de uma organização não-governamental sem fins lucrativos, atualmente conhecida por realizar a maior e mais prestigiada distinção anual de fotojornalismo do mundo.

A cerimónia de entrega de prémios da 61ª edição do concurso internacional realizou-se na passada quinta-feira (12), pela primeira vez na mesma cidade onde, há 60 anos, se esboçava o projeto. “Crise na Venezuela”, da autoria de Ronaldo Schemidt, é a fotografia vencedora deste ano, conquistando também o primeiro prémio na categoria ‘Spot News Single’.

Este ano, a seleção fez-se a partir de um amplo conjunto de 73.044 imagens, tiradas por 4.548 fotógrafos de 125 países. Para além do processo de nomeação das fotografias, 6 projetos foram também premiados dentro de cada uma das 8 categorias do concurso.

A exposição internacional dos trabalhos distinguidos passa por Portugal de 27 de abril até 20 de maio no Hub Criativo do Beato, graças a uma parceria da VISÃO com a Galp e a Câmara Municipal de Lisboa. Enquanto a data não chega, o Espalha-Factos dá-te a conhecer as cinco fotos nomeadas deste ano, que concorreram com “Crise na Venezuela” ao lugar mais alto do pódio.

A GRANDE VENCEDORA

Em 3 de maio de 2017  a cidade de Caracas voltou a ser palco de uma concentração protestante contra o governo de Nicolas Maduro, que acabara de anunciar a convocação de uma nova Assembleia Constituinte. Face à despótica decisão  do presidente, os líderes e simpatizantes da oposição saíram às ruas da capital venezuelana: preconizavam “o fim da democracia” no seu país e exigiam eleições presidenciais antecipadas.

Sob uma chuva de armas químicas incendiárias e explosões, Ronaldo Schemidt capta em fotografia o corpo de José Victor Salazar Balza em chamas, na sequência de violentos confrontos entre manifestantes e forças policiais.

Diretamente da câmara de Schemidt, chega-nos o retrato de um estudante de 28 anos que prefigura uma verdadeira “tocha humana”, cujo resultado final lhe valeu o lugar vencedor do World Press Photo de 2018.

Cerca de um ano depois do auge de protestos que testemunhou no seu país, Schemidt – fotojornalista venezuelano da agência de notícias France-Presse – chega às bocas do mundo ao receber a prestigiada distinção.

PARA LÁ DE UM CONCURSO DE FOTOGRAFIA

Desde a criação do World Press Photo até aos dias de hoje, são de notar as alterações na panorâmica fotográfica trazidas pelo progresso de seis décadas. A arte de fotografar passou a estar enraizada em inúmeras outras áreas, vendo crescer à sua volta técnicas inovadoras do captar imagem.

A World Press Photo acompanhou todos os passos do desenvolvimento, ao expandir e moldar a experiência de fotojornalistas, storytellers e audiências à escala internacional.

As fotografias selecionadas pelo painel de júris do concurso internacional despoletam um certo efeito emotivo e metafórico, aos olhos de quem as observa. Mas para além das (previsíveis) emoções que evocam, devem ser vistas como mecanismos de denúncia das vicissitudes que assolam o nosso planeta e retratos realistas daquilo que somos enquanto seus habitantes.

“Crise na Venezuela” é um claro exemplo disso. A grande vencedora do World Press Photo deste ano é mais do que “…uma fotografia clássica, (…) [de uma] energia e dinâmica instantâneas” (segundo as palavras de Maddalena Herrera , presidente do júri do concurso).

E Schemidt – o primeiro a observá-la antes de qualquer um de nós – confirma-o: “Esta fotografia representa a terrível situação de um país, o meu, em desgraça: refém de uma espiral de violência política e social”.

Entre o polémico e o contestável, a World Press Photo não deixa de valorizar o trabalho de quem se dedica à fotografia enquanto elemento difusor de ideais. Todos os anos, são divulgados os trabalhos de fotógrafos dispostos a retratar um mundo despido de efeitos e máscaras, contribuindo para a memória coletiva que todos partilhamos e que todos devemos preservar.

Veja inscrições para o Concurso World Press Photo 2019https://goo.gl/qYBiPR

Fonte:  https://goo.gl/DH2yz1

Aproveite para rever mais dicas sobre prêmios de agencias  internacionais de footjornalismo suas apostilas, bibliografias e vídeos das aulas de fotografia dos cursos profissionalizante da Escola Focus.

Sobre o autor

ATENÇÃO: OS TEXTOS, MATÉRIAS TÉCNICAS, APRESENTADAS NESSE BLOG SÃO PESQUISADAS, SELECIONADAS E PRODUZIDAS PELOS ALUNOS, PROFESSORES E COLABORADORES DA FOCUS PARA USO MERAMENTE DIDÁTICO E COMPLEMENTAR ÁS AULAS DE FOTOGRAFIA NAS MODALIDADES DE CURSOS PRESENCIAIS OU A DISTÂNCIA EAD, MANTIDOS PELA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA, SEM QUALQUER OUTRO TIPO DE PROPÓSITO, RELEVÂNCIA OU CONOTAÇÃO. PARA MAIORES INFORMAÇÕES CONSULTE https://focusfoto.com.br A Focus é a única escola de fotografia no Brasil, que oferece ao aluno o direito de obter seu REGISTRO LEGALIZADO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL, emitido pelo Ministério do Trabalho, por meio de cursos com carga horária total de 350 horas, incluindo períodos de estágio, preparo e defesa de TCC OS CURSOS DA FOCUS ESCOLA DE FOTOGRAFIA SÃO RECONHECIDOS PELA LEI N. 9.394, ARTIGO 44, INCISO 1 (LEI DE EDUCAÇÃO) O REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL é unificado, sendo o mesmo obtido pelas melhores Universidades Públicas do Estado de São Paulo. E você poderá obtê-lo EM QUALQUER MODALIDADE DE CURSOS DA FOCUS, presenciais ou a distância EAD em menos de 6 meses de curso. O aluno obterá seu REGISTRO DE FOTÓGRAFO PROFISSIONAL diretamente nas agências regionais do Ministério do Trabalho e Emprego. Este registro é fundamental para o exercício legal da profissão, constituição de seu próprio negócio, ingressos em concursos públicos e processos admissionários em empresas de fotografia, públicas ou particulares, bancos de imagens, agências de notícias, jornalismo e consularização de seu registro de fotógrafo, caso queira trabalhar em outros países ou Ongs. Internacionais, como "FOTÓGRAFOS SEM FRONTEIRAS" entre outras modalidades. SEJA FOTÓGRAFO DEVIDAMENTE REGULAMENTADO. QUALIDADE E EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO FOTOGRÁFICA É NOSSO DIFERENCIAL HÁ MAIS DE QUATRO DÉCADAS. Os alunos recém-formados pela Focus competem em nível de igualdade com fotógrafos profissionais que estão no mercado há mais de 30 anos. Na FOCUS, o aluno entra no mercado de trabalho pela porta da frente! Os alunos, após formados, são encaminhados para o mercado de trabalho. Cursos 100% práticos, apostilados e com plantão de dúvidas. Faça bem feito, faça Focus! Há mais de 44 anos formando novos profissionais. AUTOR DO PROJETO e MEDIADOR DESSE BLOG: Prof. Dr. Enio Leite Alves, Professor Titular aposentado da Universidade de São Paulo, nascido em São Paulo, SP, 1953. PROF. DR. ENIO LEITE: Área de atuação: Fotografia educacional, fotografia autoral, fotojornalismo, moda, propaganda e publicidade. Pesquisador iconográfico. Sociólogo, jornalista, físico, fotoquímico, inventor e docente universitário. Fotografo de imprensa desde 1967, prestando serviços para os Diários Associados e professor do Sesc e do Curso de Artes Fotográficas Senac Dr. Vila Nova, São Paulo. Fotografo do Jornal da Tarde em 1972 -1973. Em 1975, funda a FOCUS – ESCOLA DE FOTOGRAFIA, primeira instituição de ensino técnico e tecnológico da AMÉRICA LATINA. No mesmo ano, suas fotos são premiadas na 13ª Bienal Internacional de São Paulo, quando a fotografia passa a reconhecida pela primeira vez como obra de valor artístico. Enio Leite, fundador do MOVIMENTO PHOTOUSP no início dos anos 70, com Raul Garcez e Sergio Burgi, entre outros, no centro acadêmico da Escola Politécnica, na Cidade Universitária, São Paulo-SP. Professor de fotografia publicitária da Escola Superior de Propaganda e Marketing, (ESPM), 1982 a 1984. Mestre em Ciências da Comunicação em 1990, pela Escola de Comunicação e Artes, USP. Doutor em História da Fotografia, Fotoquímica, Óptica fotográfica e Fotografia Publicitária Digital, em 1993, pela UNIZH, Suíça. No ano de 1997 obteve Livre Docência na Universitá Degli Studi di Roma Tre. Professor convidado pela Miami Dade University, Flórida, 1995. Pesquisador e escritor, publicou o primeiro livro didático em língua portuguesa sobre fotografia digital, Editora Viena, São Paulo, maio 2011, já na quarta edição e presente nas principais universidades brasileiras portuguesas. Colabora com artigos, ensaios, pesquisas e títulos sobre fotoquímica, radioquímica, técnica fotográfica, tecnologia digital da imagem, semiótica e filosofia da imagem para publicações especializadas nacionais e internacionais. (Fonte: Agência Estado - 12/03/2019)

Deixe seu comentário

  • (não será mostrado)